"> Editorial - Março/2021

30 de Abril de 2021

Editorial - Março/2021

Brasil

1.1 Resumo

O cenário econômico e político do Brasil ainda se mostra em desequilíbrio e desfavorável, o combate a pandemia pelo Governo de Bolsonaro está causando muitas discordâncias e riscos fiscais, refletindo no descontentamento tanto da população também na perda de apoio político.

Apenas com a vacinação em massa a economia poderá voltar ao seu funcionamento normal, até agora as medidas necessárias de distanciamento social para aliviar o sistema de saúde estão prejudicando o desenvolvimento econômico dos Estados. Uma possível melhora se dará ao final do primeiro semestre com a população de risco vacinada, porém, é imprescindível que a maior parte da população seja vacinada o quanto antes.

 

1.2 Cenário base

O primeiro semestre de 2021 começou com uma recessão técnica, resultado das restrições da pandemia.  A previsão do PIB segundo o BNP Paribas é de um recuo de 0,5% no primeiro trimestre em relação a 2020, tendo um crescimento anual de 2,5%, resultado de uma expectativa de forte recuperação no segundo semestre de 2021. Tal mudança é esperada a partir da vacinação da população de risco, até o final do primeiro semestre, que poderá haver uma maior flexibilização das normas de distanciamento social.

A seguir, pode-se observar as taxas do PIB segundo o IPEA:

O risco fiscal a curto prazo é preocupante para a economia brasileira, as indústrias e serviços estão em lenta recuperação, a principal meta hoje é fazer com que a saúde pública seja aliviada, porém, na contrapartida os pequenos negócios estão sendo grandemente afetados, aumentando as incertezas do desempenho. Outro ponto é o desequilíbrio fiscal causado pelo teto fiscal imposto somado à PEC Emergencial em vigência. Com isso o COPOM aprovou um aumento nas taxas de juros da Selic de 0,75%, havendo uma previsão de mais um aumento de 0,75%, normalizando os estímulos monetários.

As taxas de inflação seguem em taxas de 4,6% de variação do IPCA e 4,3% do INPC, tais taxas são reflexos da seca de regiões produtoras de leite, carne e soja e o aumento dos preços de matérias primas do mercado externo.

Em relação aos dados de desemprego, a COPOM assinalou uma menor ociosidade nos setores de bens, por conta dos benefícios emergenciais de composição de renda disponibilizados pelo governo, apesar do aumento da taxa de desemprego.

 

1.3 Eventos Políticos

Qualquer tema que não seja a urgência da vacinação em massa para que os serviços e o comércio voltem a funcionar, é secundário ao tratar dos acontecimentos econômicos. O maior impasse que o Brasil está tendo que lidar além da pandemia é a gestão do governo Bolsonaro frente a contenção do covid-19, com negacionismo e propagação de informações falsas. Foi assinada uma carta por mais de 200 cientistas de apoio ao povo brasileiro e contra a gestão da pandemia pelo governo de Jair Bolsonaro, nesta, a defesa é de que o presidente deve ser responsabilizado pelo andamento da crise sanitária brasileira, que vem causando inúmeras mortes além de agravar a desigualdade social. Além dos cortes de verbas para pesquisas científicas e os ataques ao INPE com o desmatamento da Amazônia.

O Supremo Tribunal Federal (STF) também enviou à Plenária da corte, uma ação contra o Presidente Jair Bolsonaro pela omissão e descaso frente à pandemia de covid-19.

Em tese é feito um pedido para que seja elaborada uma comissão pela União, governos estaduais e comunidade científica de planejamento para o combate à pandemia no País. O documento também aponta que deve haver um apoio financeiro às micro, pequenas e médias empresas para compensar danos.

A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI), também está iniciando a investigação das ações do governo contra a pandemia. Seis dos onze senadores que fazem parte da comissão acreditam que Bolsonaro errou na condução ao combate a Covid-19. Os aliados ao governo são minoria na comissão. As investigações vão tratar desde omissões até a análise de desvios de recursos federais.

Além da urgência da vacinação, outro ponto primordial que a economista do FMI, Gita Gopinath, afirma é que as políticas econômicas relacionadas a diminuir o impacto da pandemia sejam prorrogadas.

 

1.4 Destaques

Com a anulação da condenação do Ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, na operação Lava Jato, as pesquisas do IPD (Índice de Popularidade Digital), estão apontando uma acirrada disputa nas eleições presidenciais de 2022. No relatório divulgado pela Quaest há um empate técnico com Bolsonaro 63,3% e Lula 61,1%.

A participação dos candidatos em entrevistas deixa nítido a disputa por ideias, Bolsonaro vem cada vez mais tentando mostrar um perfil populista e retratando algumas afirmações antigas sobre seu posicionamento em relação a suas ações na pandemia. Por outro lado, Lula está buscando uma estratégia de militância nas redes sociais para buscar outro eleitorado além do “lulismo tradicional”.

 

EUA

 

2.1 Resumo

Os últimos meses, principalmente março, foram marcados por recordes nos indicadores econômicos, que mostram uma recuperação gradual da economia americana. O país vem sendo reaberto aos poucos, aliado aos intensos esforços para a contenção da pandemia e da abertura para a vacinação do público geral. Além disso, como já era esperado, foram marcados pelo período de transição de governo do republicano Donald Trump para o democrata Joe Biden. Período esse composto por rupturas tanto no âmbito político quanto no econômico.

 

2.2 Cenário base

Ainda sobre o final do ano de 2020, o país apresentou um crescimento do PIB de 4,3% no quarto trimestre (taxa anualizada), em comparação ao terceiro trimestre de acordo com o departamento de comércio, fechando o ano com uma queda de 3,5% no PIB. O Fed (Federal Reserve, Banco Central americano), por sua vez, aumentou suas projeções para o indicador nos anos de 2021, 2022 e 2023 para 6,5% (ante os 4,2% anteriores), 3,3% e 2,2%, respectivamente.

A taxa de desemprego também vem apresentando melhoras consecutivas, chegando a 6% em março com a criação de 916 mil novos postos durante o mês. Além disso, os novos pedidos de seguro-desemprego atingiram, durante abril, o menor nível desde 14 de março de 2020, foram registrados 576.000 pedidos na primeira semana do mês.

Ainda reforçando a recuperação econômica temos o PMI (Purchasing Manager’s Index - indicador de atividade: quando maior que 50 indica expansão do setor, quando menor que 50 indica retração) industrial subindo de 58,6 em fevereiro para 59,1 em março, o segundo maior resultado da série histórica que começou em 2007. O PMI de serviços, por sua vez, avançou de 59,8 em fevereiro para 60,4 em março, o maior nível desde julho de 2014. Desse modo, é de se esperar que o PMI composto, que engloba os dois setores, tenha trajetória de alta, subindo de 59,5 para 59,7 nesse período, atingindo seu maior patamar desde agosto de 2014.

O Comitê Federal de Mercado Aberto (Fomc), por fim, além de elevar as projeções do PIB, projetou uma queda na taxa de desemprego, chegando a 4,5% até dezembro, e elevou as expectativas da inflação para um aumento de 2,2% no ano. Apesar do otimismo, o Comitê decidiu pela manutenção das taxas de juros entre 0% a.a. e 0,25% a.a. e sinalizou ao mercado que não haverá mudanças nesse sentido até 2023.

 

2.3 Eventos Políticos

A eleição de Biden trouxe consigo grandes mudanças de paradigmas que já começam a ser vistas durante os primeiros meses do ano, seja através das novas medidas de combate a pandemia, através da Cúpula do Clima que recoloca os Estados Unidos entre os protagonistas na luta contra as mudanças climáticas, através dos novos pacotes de estímulos monetários, ou da revogação das restrições à imigração impostas por Trump. Os grandes eventos políticos vêm sendo relacionados a essa transição entre os governos, que vem causando grandes rupturas. Ao que diz respeito às políticas econômicas, como já havia sido previsto no editorial de outubro, o governo vem se encaminhando para três coisas: aumento do seu orçamento, aumento dos impostos sobre as empresas e aumento dos impostos sobre os mais ricos.

 

2.4 Destaques

O principal destaque dos EUA são os dois pacotes propostos pelo atual presidente: o pacote de resgate à economia e o pacote da infraestrutura. O primeiro foi promulgado durante março e conta com US$ 1,9 trilhões para auxiliar no combate à pandemia, o programa tem três fins principais: (i) o combate direto à pandemia: vacinação, testes e a produção de vacinas, (ii) o amparo das pessoas em situação de vulnerabilidade social: cheques diretos para famílias de baixa renda, prolongamento do seguro-desemprego e crédito fiscal para cuidado das crianças, e (iii) assistência às instituições públicas e privadas: estados e municípios, escolas e pequenas empresas.

Já o segundo plano tem uma perspectiva de longo prazo e é a primeira parte de um projeto de remodelação da economia americana ao longo da próxima década. Para isso, vai contar com um orçamento de US$ 2 trilhões para serem investidos em infraestrutura: US$ 621 bilhões para modernizar a infraestrutura de transporte, US$ 300 bilhões para impulsionar a indústria manufatureira e US$ 100 bilhões para expansão do acesso à internet. Para custear esse megaprograma, por fim, Biden prevê uma reforma tributária que arrecadaria US$ 2 trilhões nos próximos 15 anos, para isso pretende elevar as alíquotas dos impostos sobre a pessoa jurídica de 21% para 28% e do imposto mínimo sobre a receita de empresas americanas no exterior para 21%. Além disso, a expectativa é que sejam propostas mudanças nas taxas cobradas aos mais ricos de modo a financiar a segunda parte desse projeto.

 

Europa

 

3.1 Resumo

A União Europeia apresentou indicadores econômicos melhores ao longo de março e da primeira quinzena de abril, comparado aos dois primeiros meses do ano. Aumento nos casos de contaminação e mortes alertaram os governos europeus durante o mês de março fazendo com que os países adotassem novas medidas restritivas a partir do início de abril. No entanto, mesmo com a piora no número de casos de contaminação e mortes, observou-se expansão nas atividades econômicas, efeito das políticas anteriores de restrição, auxílios governamentais e da política de vacinação que se iniciou no continente.

 

3.2 Cenário base

A Zona do Euro, apesar dos impactos provocados pelas restrições de mobilidade devido ao novo aumento dos casos de Covid-19, apresentou expansão nas atividades industriais. O índice gerente de preços PMI (Purchasing Managers’ Index - acima de 50 pontos indica expansão da atividade, abaixo de 50 pontos indica contração) de manufatura fechou março em 62,5 pontos, contra 57,9 pontos em fevereiro, indicando nova expansão das atividades industriais. O PMI de serviços em março foi de 49,6, ante 45,7 de fevereiro, o que indica uma contração menor, das atividades de serviço, uma vez que foram observadas flexibilizações para atuação do setor de serviços em algumas cidades europeias. A inflação na zona do Euro avançou 1,7% no mês de março, uma aceleração menor que a prevista em fevereiro, quando o índice fechou em 1,3%. Já o nível de desemprego se manteve estável em 8,3%.

No Reino Unido, é observado melhoras robustas e significativas em seus indicadores econômicos. O PMI de serviços em março foi aos 56,3 pontos, frente aos 49,5 de fevereiro, indicando uma consistente expansão no setor de serviços, frente à leve contração no mês anterior. O PMI industrial, que já apresentava expansão em fevereiro com 55,1 pontos, aumentou quase 4 pontos, indo a 58,9. A inflação de março, no Reino Unido, foi de 0,7%, frente a 0,4% em fevereiro e o nível de desemprego caiu 0,1% entre janeiro e fevereiro.

Os bancos centrais da Europa e da Inglaterra decidiram em março passado manter suas taxas de juros e reafirmaram seus compromissos com seus programas de compras de títulos e afrouxamento monetário para aquecer suas economias e conter os reveses provocados pela pandemia.

 

3.3 Destaques

O parlamento alemão decidiu que o governo federal tomará frente quanto às decisões de combate ao novo coronavírus. Antes dessa decisão tomada na metade de abril, cada estado tinha autonomia para decidir se seguiria as diretrizes do governo federal e até mesmo criar suas próprias regras. Com isso algumas regiões apresentaram melhoras no quadro de infecções, ao passo que outras pioraram, o que não aliviava, de forma geral, os casos de infecção e morte. Desde o início de abril o governo federal indicou toque de recolher válido das 21h até as 5h. A campanha de vacinação na Alemanha até metade de abril tinha vacinado pouco mais de 25% da população adulta com pelo menos uma dose.

Na Itália, regiões ainda se encontram entre as faixas vermelha e laranja de restrição com apenas os serviços essenciais operando na primeira faixa e com alguns serviços não essenciais operando na segunda. Há restrições de locomoção entre as regiões e toque de recolher a partir das 22h até as 5h.

Os franceses passarão a testar o TousAntiCovid. Um sistema de monitoramento para quem já foi vacinado e quem já se contaminou e produziu anticorpos contra a doença para liberar o trânsito entre suas regiões. A ideia é fazer desse projeto piloto um teste para permitir as viagens na União Europeia durante as férias de verão do meio do ano. Apesar deste processo, na França só os serviços essenciais estão em funcionamento normal e um toque de recolher foi instaurado no país. Até a metade de abril, pouco mais de 25% da população adulta recebeu ao menos uma dose de vacina contra o Covid-19.

Com mais de 63% da população adulta vacinada contra o Covid-19, o Reino Unido flexibilizou significativamente a mobilidade dentro de suas fronteiras. Reuniões com até 6 pessoas, serviços não essenciais abertos com limitações de horários, locais públicos abertos, ainda que com limitações estão permitidos. A política de vacinação em massa, somada a liberação de testes de graça e as restrições tomadas anteriormente, foram essenciais para que os britânicos pudessem aos poucos retomar algumas de suas atividades. Com isso, espera-se que a retomada da expansão das atividades econômicas siga de forma sustentável e reaja às perdas provocadas pela pandemia e pelo Brexit. Foi observado que durante os três primeiros meses de 2021, houve queda de 41% dos bens exportados do Reino Unido para a União Europeia e queda de 31% nas importações. Apesar de haver um acordo de livre-comércio entre ambas as partes, a burocracia nas fronteiras atrasou e elevaram os custos das operações.


China

 

4.1 Resumo

O primeiro trimestre na China foi bem dinâmico. Crescimento econômico forte devido a retomada das demandas domésticas e globais e a vacinação que segue a passos largos na China são os destaques positivos no âmbito econômico. Até a metade de abril, mais de 192 milhões de doses já haviam sido aplicadas em território chinês, de acordo com os dados da Statista. Tensões políticas internas e externas chamaram atenção para a região. Conflitos com Taiwan e Hong Kong provocaram a comunidade internacional a emitir suas preocupações e manteve os mercados em alerta.

 

4.2 Cenário base

O crescimento do PIB anualizado no primeiro quarto de 2021 foi de 18,3%. Ao longo de 2021, a China tem expectativa de crescer 6%. Em 2020 a economia chinesa cresceu 2,3%. O desemprego na área urbana da China teve uma leve queda em março, fechando em 5,3% frente aos 5,5% de fevereiro. A inflação mês contra mês retraiu 0,5% quando comparado com fevereiro. Mês que observou uma elevação de 0,6% contra janeiro.

O índice gerente de compras (PMI) que mede expansão ou contração das atividades econômicas (acima de 50 pontos expansão, abaixo contração) apresentou dados de expansão nos setores de serviços e de indústria. Fecharam com 51,9 pontos e 54,3 pontos, respectivamente, indicando nova expansão em suas atividades. Em fevereiro os índices foram de 50,6 pontos para o setor de indústria e 51,5 para o de serviços. O ensaio à retomada econômica é observado dada a elevação das demandas globais por produtos chineses e com a vacinação em massa em curso no país a economia interna segue aquecida.

A LPR, taxa básica de juros para empréstimos de curto e longo prazo, foi mantida estável pelo Banco Central chinês. 3,85% para o curto prazo e 4,65% para 5 anos ou mais, de forma a seguir o processo de aquecimento da economia, uma vez que a inflação segue estável.

 

4.3 Destaques

Os conflitos contra Hong Kong estão levantando grandes preocupações da comunidade internacional e do mercado. O setor industrial e de capital, fortes em Hong Kong, observam o governo da China avançar rapidamente contra a legislação vigente de Hong Kong. O novo sistema eleitoral imposto por Beijing, limita a participação de cidadãos de Hong Kong na política local, sendo uma maioria pró-china que ocupará mais cadeiras no parlamento de Hong Kong.

Em Taiwan, a China segue fazendo incursões militares na região como forma de demonstrar força e sua inclinação em retomar a região para seu controle total. O governo chinês segue a mesma postura na região do Mar do Sul da China, onde construiu ilhas artificiais e instalou bases militares. Nessa região trafegam quase ⅓ de todo comércio global.

Durante a metade de abril, o premiê japonês foi o primeiro líder estrangeiro a visitar Joe Biden na Casa Branca. Nessa cúpula os dois líderes reafirmaram seus compromissos em conjunto para garantir o livre comércio na região Indo-pacífico, enfrentar as ameaças chinesas nos territórios em disputa e em Taiwan e Hong Kong. Ambos conversaram sobre enfrentar os chineses numa parceria nipo-americana para investimento e cooperação no desenvolvimento da tecnologia 5G, inteligência artificial, computação e semicondutores.

No último dia 22 ocorreu a Cúpula de Líderes sobre o Clima, organizada pelos EUA onde a China se comprometeu em acabar com a utilização de carvão para geração de energia a partir de 2030, a começar por limitar seu uso a partir de 2021.

 

 

Análise Macroeconômica

 

  1. Brasil - Beatriz Magalhães Viola
  2. EUA - Isabela Falcade Consorte
  3. Europa- Matheus Shiro Pinheiro Hirata
  4. China - Matheus Shiro Pinheiro Hirata

 

Disclaimer

 

O texto em questão apresenta apenas um caráter informativo, partindo de uma Liga de Mercado Financeiro (instituição estudantil), não deve, portanto, ser interpretado como uma sugestão de investimento em qualquer classe de ativo. As informações aqui publicadas são obtidas por fontes checadas, consideradas seguras, contudo, não há garantias de sua precisão e integralidade, de modo que a Liga de Mercado Financeiro Unesp não se responsabiliza por eventuais perdas ou lucros decorrentes da utilização desse material.

 

 

NEWSLETTER

Postagens Populares