"> Editorial - NOVEMBRO/2021

10 de Dezembro de 2021

Editorial - NOVEMBRO/2021

1. Brasil 

 

1.1 Resumo 

 

O PIB apresentou queda de 0,1% no terceiro trimestre, sendo o segundo trimestre consecutivo que o indicador obteve recuo. Com isso, o Brasil entra em recessão técnica, além disso a expectativa do mercado para o crescimento do PIB no ano de 2022 caiu de 0,70% para 0,58%. 

Com o aumento persistente da inflação, acumulando 10,73% em 12 meses, há queda na expectativa dos comerciantes em relação às vendas, mesmo com a chegada do Natal, é um dos pontos que mais abala a confiança dos empresários. 

Ademais, o presidente Jair Bolsonaro participou do encontro do G20, porém a agenda de reuniões presidenciais com outros líderes do grupo está praticamente vazia, a única reunião confirmada é com o presidente italiano Sergio Mattarella. Indica um afastamento político do Brasil com as outras potências mundiais. 

A PEC dos Precatórios foi aprovada tanto na Câmara quanto no Senado (02/12/2021). A PEC propõe remanejamento da data de pagamento das dívidas para 2022 e alteração na taxa de reajuste do teto de gastos. Se aprovada, a PEC servirá para captar recursos para o Auxílio Brasil. 

 

1.2 Cenário Base 

 

O país segue avançando com a vacinação, atualmente são mais de 63% da população totalmente vacinada, conforme esse avanço a média móvel de mortes por Covid-19 está abaixo de 300 por 27 dias consecutivos no mês de novembro, o que demonstra cada vez mais a eficiência do imunizante no combate ao vírus. 

De acordo com esses dados, o comércio mantém suas atividades normalmente sem as medidas restritivas impostas pela pandemia, todavia as vendas do comércio em setembro registram queda de 1,3% e acumulou retração de 0,4% no trimestre, dados divulgados no mês de novembro pelo IBGE. Esses indicadores influenciam na confiança dos comerciantes, que, no mês, obteve queda de 1,3% em relação a outubro, segundo a CNC (Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo). Essa perda de otimismo é decorrente da conjuntura econômica desfavorável que o Brasil enfrenta com a inflação alta, provocada pelo aumento do preço dos combustíveis e energia elétrica, valorização do dólar e o aumento na taxa de juros. 

Ademais, o PIB, de acordo com o IBGE, apresentou um recuo de 0,1% no terceiro trimestre, sendo o segundo trimestre consecutivo de queda, consequentemente o Brasil entrou em recessão técnica (quando há dois trimestres consecutivos de queda). Segundo o ministro Paulo Guedes, o recuo é localizado e pode ser justificado pela crise hídrica e pelo setor da agropecuária, que obteve queda de 8% em relação ao trimestre anterior. A razão da queda da pecuária foi motivada pela perda de produtividade de algumas safras relevantes neste período do ano, como o fim da safra de soja. 

A inflação se mantém persistente, de acordo com o IPCA-15 (índice prévio ao IPCA) apresentou um aumento de 1,17% no mês de novembro e em 12 meses a inflação acumulada atinge 10,73%. O principal peso do índice foi o aumento de 6,62% da gasolina no período (acumulando 48% em 12 meses), além disso todos os nove produtos e serviços mensurados obtiveram alta e contribuíram para o aumento do índice. Todavia, no mês de novembro, a taxa básica de juros (Selic) se manteve em 7,75%, porém é provável que haja um aumento na próxima reunião do Copom em dezembro para tentar conter a inflação, o mercado financeiro estima a taxa em 9,25% para o fim do ano e estima uma taxa de 11,25% para 2022. 

Em contrapartida, a taxa de desemprego do terceiro trimestre atingiu 12,6%, queda de 1,6 pontos percentuais em relação ao trimestre anterior. É importante ressaltar que o número de pessoas procurando emprego recuou em 9,3% no período, segundo o IBGE. Os motivos deste decréscimo são as contratações para o fim de ano no comércio. 

O final de 2021 já se aproxima e com isso devemos olhar para as expectativas de alguns índices para o ano de 2022. De acordo com o Banco Central, através do Boletim Focus, foi corrigido a estimativa da inflação de 4,96% para 5% e a taxa básica de juros acompanhará esse movimento como citado anteriormente. Além disso, reduziu o crescimento do PIB de 0,70% para 0,58%, a previsão do dólar foi mantida em R$ 5,50 e a estimativa para a balança comercial foi corrigida positivamente de U$ 63 bilhões para U$ 63,65 bilhões de superávit. 

 

1.3 Eventos Políticos 

 

No mês de novembro, o cenário político manteve-se mais ameno, mesmo com o avanço da pauta da PEC dos Precatórios na Câmara e as incertezas sobre o furo no teto de gastos, ocorreram menos ruídos. Além disso, candidatos para as eleições de 2022 começam a se filiar, oficialmente, aos partidos políticos e novas pesquisas eleitorais começam a mostrar cenário diferente para o próximo ano eleitoral. 

No começo do mês, o presidente Jair Bolsonaro participou da reunião dos líderes do G20 e foi um dos únicos líderes que não apresentou reuniões com os outros líderes do grupo. Conforme isso, é possível identificar um isolamento político do governo frente às principais potências mundiais. As causas que enaltecem esse descolamento político são: o afastamento de políticas ambientais pelo governo federal, como por exemplo o presidente não irá comparecer ao evento COP26 (conferência internacional que discute as mudanças climáticas no mundo), além disso, a má reputação do presidente contribui para esse fato, pois com a chegada das eleições em outros países, líderes mundiais não querem se comprometer em se aproximar de relações que interferem na sua imagem. 

Deixando a imagem do Brasil no exterior, devemos analisar a situação interna do país. No mês de novembro a PEC dos Precatórios foi aprovada na Câmara e passou para a avaliação do Senado, sendo aprovada no começo de dezembro. Para contextualizar, os precatórios representam todas as dívidas do governo, por decisão judicial, com pessoas físicas e empresas. Basicamente, todas as dívidas referentes aos processos que o governo federal sofreu e perdeu judicialmente. 

De acordo com isso, a PEC propõe que parte dos pagamentos sejam adiados para 2022, segundo o Tesouro, gerando uma folga de R$ 43,8 bilhões. Valor que custeará o novo programa social do governo, o Auxílio Brasil, que vem recebendo críticas por ser um mecanismo populista para tentar a reeleição do presidente Jair Bolsonaro. 

Outro ponto a ser destacado da PEC é que haverá mudança na taxa de reajuste do teto de gastos, atualmente corrigido pelo IPCA para o período de 12 meses encerrado em junho do exercício anterior a que se refere a lei orçamentária. Com a aprovação, será corrigido pelo IPCA no período de janeiro a dezembro do exercício anterior referente à lei orçamentária. Por esse fator, pode aumentar o teto de gastos, pois o novo período apresenta uma expectativa maior de inflação. Essa nova alteração dá uma folga de R$ 62,2 bilhões para 2022. Dispositivo esse que poderia driblar a regra de ouro, pois o governo pode contrair dívidas para pagar despesas correntes. 

 

1.4 Destaques 

 

Ademais, no mês de novembro, tivemos filiações políticas importantes para as eleições de 2022. O atual presidente da república, Jair Bolsonaro, filiou-se ao PL e o ex-juiz federal Sérgio Moro, filiou-se ao Podemos. De acordo com a última pesquisa realizada pela CNN, o ex-presidente Lula está com 48% das intenções de voto, seguido do atual presidente Jair Bolsonaro com 21% e o ex-juiz federal Sérgio Moro com 8%. Dentro desse cenário, há uma disputa entre Jair Bolsonaro e Sérgio Moro para garantirem o lugar no segundo turno.

 

2. Estados Unidos 

 

2.1 Resumo 

 

O crescimento econômico dos EUA ainda apresenta ritmo moderado no mês de novembro, conforme elucidado pelas divulgações dos dados de PIB (Produto Interno Bruto), payroll e PMI (Índice Gerente de Compras). Como destaque, o país iniciou o tapering e retomou sua produção de petróleo, além de negociar a liberação de reservas estratégicas de países como China e Índia, visando diminuir o impacto no mercado global de energia, cadeia de suprimentos e inflação. 

 

2.2 Cenário Base 

 

De acordo com a segunda estimativa do PIB do país para o terceiro trimestre de 2021, o relatório do Departamento de Comércio confirmou que o indicador cresceu 2,1% em taxa anualizada, ante previsão de 2,2% prevista para o período. Esse resultado confirma a forte desaceleração do crescimento econômico do país, apesar de ser superior ao ritmo de expansão de 2,0% relatado em outubro. 

Em seguida, o último Relatório de Emprego (payroll) reportou resultados inferiores às expectativas para o mercado de trabalho. De acordo com a pesquisa, os Estados Unidos criaram 210 mil empregos em novembro, ante uma projeção de 550 mil baseada na espera de alta nas contratações devido ao aumento da demanda de bens e serviços. A taxa de desemprego permaneceu estável em 4,6%, ante projeção de 4,5%. Esse dado é de grande importância para o país, sendo utilizado para o entendimento do cenário econômico e definição da taxa de juros pelo Federal Reserve (FED). 

Por outro lado, o PMI de serviços divulgado pelo IHS Markit foi de 58 em novembro, ante 58,7 em outubro. Apesar da redução, o setor de serviços é o responsável pelo maior impacto positivo no PMI composto, o qual fechou em 57,2 ante 57,6 em outubro, uma vez que as fábricas apresentaram ritmo desacelerado devido às interrupções na produção e oferta. 

 

2.3 Eventos Políticos 

 

Como eventos políticos, destaca-se a cúpula virtual realizada entre Joe Biden e Xi Jinping visando a discussão sobre a necessidade de cooperação e competição com responsabilidade entre os dois países. 

Entre as principais pautas levantadas por Biden pode-se citar direitos humanos, comércio e práticas econômicas injustas da China e o compromisso dos EUA com Taiwan, sendo esse último ponto o mais importante nas negociações. Apesar da duração de mais de 3 horas, não foram definidos grandes avanços estratégicos. 

Além disso, no início de novembro houve a reabertura da fronteira do país com o México após 20 meses de interrupção devido à pandemia do COVID-19. 

Por fim, a Casa Branca confirmou que Joe Biden quer disputar a reeleição para presidente, apesar dos seus baixos índices de popularidade. 

 

2.4 Destaques 

 

Durante o mês de novembro, pode-se nomear 3 destaques importantes para o país. 

O primeiro foi o início do tapering neste mês, processo de finalização do programa de compras de ativos pelo governo visando proteger a economia durante a pandemia do Covid-19. Com a renomeação de Jerome Powell, líder do FED, a expectativa é que a redução de estímulos seja acelerada. 

Com a medida, algumas autoridades se mostraram preocupadas com a aceleração da inflação e defenderam a flexibilidade para aumentar a taxa de juros em paralelo à redução gradual do estímulo governamental. Até então, de acordo com Richard Clarida, vice-presidente do FED, a expectativa era de que as pressões inflacionárias fossem reduzidas com o melhor cenário no mercado de trabalho e ajustes nas cadeias de suprimento globais. Já através de declarações no Comitê Bancário do Senado Norte-Americano, Powell abandonou a classificação da inflação como transitória, indo de encontro com a proposta de elevação dos juros logo no próximo ano. 

Já como segundo destaque, tem-se a rejeição da OPEP (Organização dos Países Exportadores de Petróleo) frente aos apelos dos EUA para o aumento da oferta de petróleo, o que incentivou o país a negociar o acesso às reservas de demais países, visando garantir estabilidade dos mercados globais de energia. Como resultado, a China iniciou a liberação de suas reservas e a Índia iniciou o planejamento de venda de cerca de 5 milhões de barris de petróleo. A recuperação da produção nos EUA também foi observada, sendo que a AIE (Agência Internacional de Energia) aumentou a previsão de produção do país no quarto trimestre em 300 mil barris por dia. 

Por fim, houve também a aprovação pela Câmara dos Representantes dos Estados Unidos do Build Back Better Act, pacote de gastos de quase US$ 2 trilhões em educação, saúde e contra mudanças climáticas, apresentada pelo presidente Joe Biden. De acordo com os republicanos, o pacote trará mais inflação e desaceleração de crescimento econômico, enquanto Biden e demais líderes do governo defendem que o pacote pagaria por si mesmo através do aumento de impostos sobre grandes corporações no exterior. Como próxima etapa, a votação segue para o senado. 

 

3. Europa 

 

3.1 Resumo 

 

A Europa observa inflação atingir níveis históricos; preocupação com a política econômica do FED (Federal Reserve) para o próximo ano causa desvalorização cambial, além da chegada da nova variante do coronavírus ao continente onde a vacinação estagnou nos últimos meses. No panorama político tem-se mês de encontro do ex-presidente Lula com líderes da região; a Alemanha caminhando para uma era pós Merkel e o conflito na fronteira entre Polônia e Bielorrússia abala a UE. 

 

3.2 Cenário Base 

 

Como de costume, a estabilidade econômica dos países europeus se manteve no mês de novembro. O Reino Unido e a União Europeia não alteram suas taxas de juros a mais de um ano (no caso da UE há mais de cinco anos). Por outro lado, suas moedas sofreram pequenas desvalorizações: a Libra Esterlina caiu 2,2% enquanto o Euro caiu 2,58%. Esse movimento vai na contramão do que era esperado pelos mercados ao redor do mundo, uma possível explicação é a expectativa dos investidores no aumento da taxa de juros norte-americana no início do próximo ano. 

Para além destes indicadores, podemos destacar também um aumento nos níveis de inflação por toda a Europa, principalmente no Reino Unido que bateu a casa dos 4% a.a. pela primeira vez em dez anos, chegando a 4,2% a.a. A Alemanha também atingiu recorde histórico ao auferir inflação acumulada de 5,2% a.a. neste mês de novembro. Por fim, mesmo apresentando inflação acima da média histórica, a França manteve-se abaixo dos 3% a.a. auferindo 2,8% desde o início do ano. 

Esse aumento contínuo na inflação europeia está diretamente ligado a dois fatores: a crise energética que afeta o mundo inteiro, aliada a retomada do consumo e da produção em diversos setores da economia. A título de exemplo, todas as principais potências do continente observaram expansão tanto no PMI industrial como no PMI de serviços. Por outro lado, o aumento da atividade econômica nestes países não está sendo acompanhado por um aumento da vacinação contra a COVID-19, a maioria deles estão estagnados entre 65% e 70% de cidadãos completamente vacinados. 

 

3.3 Destaques 

 

A nova variante do coronavírus, Ômicron, descoberta recentemente na África do Sul, teve suas primeiras confirmações de casos na Europa. Holanda, França e Alemanha já relataram casos da variante, nesta última a situação se complicou tanto que os estados alemães aumentaram as restrições, alguns inclusive aderindo novamente ao lockdown. O país também registrou recorde de contaminação por dias consecutivos, felizmente as taxas de mortalidade são baixas quando comparadas à segunda onda no início do ano, graças à vacinação. 

No que diz respeito à Alemanha, o Partido Social Democrata (SPD), vencedor das últimas eleições, conseguiu finalmente formar uma base governista ao lado dos Verdes e dos Liberais (FDP). Resta saber como Olaf Scholz conciliará tantas ideias divergentes dentro da coalizão a partir do dia 8 de dezembro quando será sancionado como primeiro-ministro pelo Bundestag. E neste mês de novembro, Scholz recebeu a visita do ex-presidente Lula, assim como Emmanuel Macron e outras figuras importantes da política europeia. Lula viajou no começo do mês ao velho continente a fim de formar alianças internacionais e preparar terreno para um possível retorno ao Planalto em 2023. Nestes encontros, destacou o combate à COVID-19 e ao desmatamento da Amazônia, além de ter feito constantes críticas ao governo de Jair Bolsonaro. 

Por fim, a União Europeia enfrenta um embate delicado com a Bielorrússia: milhares de refugiados estão tentando entrar na UE pela fronteira com a Polônia. O problema escala quando a o primeiro-ministro polonês, Mateusz Morawiecki, e a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, acusam o presidente Alexander Lukashenko de orquestrar os fluxos migratórios, principalmente de refugiados curdos, em direção aos países-membros da UE como forma de retaliação às sanções econômicas impostas ao país. Morawiecki avisou que irá fechar a fronteira polonesa e mobilizou 12 mil soldados para a região. Von der Leyen convocou os países da União Europeia a aplicarem novas sanções mais rigorosas à Bielorrússia e afirmou que o bloco não se abalará com os planos de Lukashenko. Vale lembrar que a UE, apoiada pelo Conselho de Direitos Humanos da ONU e pelos Estados Unidos, vêm impondo restrições à Bielorrússia desde agosto deste ano após denúncias de fraude nas eleições e de perseguição e tortura à opositores do regime. 

 

4. China 

 

4.1 Resumo 

 

Após um momento de incertezas e incógnitas, devido ao possível calote da gigante Evergrande, que poderia se espalhar em uma grande crise no setor imobiliário, afetando os futuros dos minérios, a economia chinesa animou o mercado com os últimos indicadores apresentados. Com a expansão na atividade industrial, os preços de algumas commodities voltaram a subir depois de começar o mês de novembro em baixa. 

Durante esse mês, Joe Biden e Xi Jinping se reuniram em uma cúpula virtual e buscaram discutir uma cooperação entre os dois governos. Além disso, os líderes falaram sobre algumas outras pautas, como comércio, a situação de Taiwan e direitos humanos. 

 

4.2 Cenário Base 

 

A atividade industrial chinesa teve uma boa reação e voltou a apresentar expansão, crescendo após um período de 3 meses. Esse aumento se deu principalmente pelo alívio nos preços das matérias primas. O PMI (Índice Gerente de Compras) chinês, fechou novembro em 50,1 em frente aos 49,6 de outubro, os 50 pontos dividem o cenário de expansão e o de retração, os especialistas esperavam um aumento do PMI, no entanto ainda inferior aos 50 pontos apresentados, o que levou o mercado a se animar em relação a demanda da china, e com isso empresas ligadas ao mercado de mineração lideraram as maiores altas na BOVESPA. 

As políticas para garantir a oferta de energia e estabilização de preços que o governo de Pequim adotou se mostraram eficazes, segundo o Zhao Qinghe estatístico sênior do National Bureau of Statistics e além da melhora na atividade industrial, o subíndice de produção registrou em novembro números positivos, atingindo os 52 pontos, em outubro esse índice fechou em 48,6, mesmo com o fato de que em novembro a demanda dos clientes tenha caído pelo quarto mês consecutivo. No entanto, por mais que o mercado tenha se animado com o resultado positivo além do esperado, os especialistas projetam uma desaceleração do PIB chinês, visto a perspectiva de uma demanda ainda fraca. O PMI de serviços não acompanhou os outros números apresentados e mostrou uma leve queda de 52,4 para 52,3. 

Além do aumento dos números sobre a atividade industrial, a China movimentou o mercado de minérios, principalmente ligados aos metais, devido à projeção de novas obras de infraestrutura. As principais autoridades chinesas pediram medidas para estabilizar os preços dos imóveis, pois a desaceleração do mercado imobiliário continua afetando a economia. O vice-primeiro-ministro Liu He sentiu a necessidade de mais obras de infraestrutura, que deveriam ser antecipadas para impulsionar a demanda, segundo artigo publicado no People’s Daily. 

 

4.3 Destaques 

 

O Brasil suspendeu as exportações de carne bovina para a China em 4 de setembro com a notícia de dois casos atípicos da doença da vaca louca. No entanto, a carne que já estava nos portos continuou sendo exportada, mesmo com a maior parte da carga não conseguindo passar pela alfândega na chegada à China. As autoridades da China disseram nesta terça-feira (23) que aceitarão pedidos de importação de carne bovina brasileira que tenha recebido certificado sanitário antes de 4 de setembro, fazendo com que as carnes importadas, retidas nos portos chineses, conseguissem a autorização na alfândega. 

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, e seu homólogo chinês, Xi Jinping, conversaram sobre a necessidade de cooperação durante a primeira cúpula entre os dois líderes, que foi mais longa do que o esperado, embora não tenham anunciado grandes avanços. Os dois líderes falaram sobre vários tópicos, como o comércio, a situação de Taiwan e direitos humanos. O governo americano disse que a conversa, respeitosa e aberta, tinha como foco ações para administrar a competição no longo prazo entre as maiores economias do mundo. 

 

5. Equipe 

 

Redação e Pesquisas: Guilherme O. China (Brasil); Gabriela Abdalla (Estados Unidos); Pedro Zanini Arruda (Europa); e Guilherme Bertucci (China). 

Edição final: Matheus Shiro Pinheiro Hirata

NEWSLETTER

Postagens Populares