"> Uma breve explanação sobre a inflação pela ótica da produção

18 de Junho de 2020

Uma breve explanação sobre a inflação pela ótica da produção

 

Escrito por: Lucas Lima

 

A meta deste artigo é explicitar um termo reconhecido na história da economia, a inflação. O termo inflação vem do latim inflatĭo e ōnis significa “inchação”. A maior utilização dessa palavra atualmente é para o ramo da economia mundial. Para esse setor, a inflação é um termo designado para retratar o aumento geral dos preços dos produtos do mercado atual, desvalorizando a moeda e aumentando o custo de vida para pessoas físicas e jurídicas.

 

O custo de vida aumenta pelo fato de que geralmente, os reajustes salariais não acompanham a taxa de inflação, ou seja, o poder de compra do consumidor reduz, já que com o mesmo valor monetário, terá que comprar produtos com valor inflacionado.

 

Existem três principais motivos que podem estar associados à causa da inflação:

1- Quando há um descompasso entre a oferta e a procura

Quando a procura é muito maior do que a oferta de um determinado produto, o seu preço aumenta; quando é muito menor, seu preço diminui. Assim, quando a população possui uma maior renda ou mais crédito para comprar, há um aumento súbito da procura que geralmente não é acompanhado pela oferta, o que eleva os preços e intensifica a inflação.

 

O mesmo acontece quando ocorrem problemas na produção de determinados produtos, pois reduz a oferta enquanto a procura se mantém constante, sendo necessário aumentar os preços, inflacionando a economia.

 

2- Aumento dos lucros privados

A inflação dos produtos ocorrem quando uma empresa detém posse de toda a produção dele ou é proprietária da maioria das marcas desse produto, podendo assim ajustar o valor do produto como achar mais lucrativo, desde que não possua concorrência a ponto de interferir nos seus negócios.

 

Por exemplo, a Coca-Cola, que comprou diversos outros negócios do ramo, como Guaraná Jesus, Sprite, Fanta, Símba. Tais marcas e seus respectivos valores contribuíram pra que a Coca Cola conseguisse reduzir suas concorrências a tal ponto que pudesse inflar os preços dos produtos em uma margem consideravelmente alta.

 

Se esse caso se generaliza na sociedade, ou seja, se a maior parte dos produtos passa a ser controlada por poucos, instala-se um processo generalizado de inflação em função da elevação do custo de vida do consumidor.

 

3- Aumento rápido dos custos de produção

Quando ocorre um rápido aumento no custo da produção de suas mercadorias, seja com aumento repentino de salários, dívidas acumuladas e aumento intensivo de impostos, as empresas tendem a repassar esse custo ao consumidor. Assim, novamente os preços elevam-se e a inflação sobe.

 

Outro fator associado é o aumento dos gastos com matérias-primas. Se o preço delas eleva-se por algum motivo (escassez, controle dos fornecedores, alta do dólar ou razões políticas), o custo dos produtos tende a aumentar, puxando a inflação para cima.

 

Índices da inflação no Brasil:

Os índices de inflação são usados para medir a variação dos preços e o impacto no custo de vida da população. O Brasil possui mais de 400 itens que se reúnem no IPCA, o índice geral da inflação mais conhecido.

 

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor – INPC que tem por objetivo a correção do poder de compra dos salários, através da mensuração das variações de preços da cesta de consumo da população assalariada com mais baixo rendimento. Esta faixa de renda foi criada com o objetivo de garantir uma cobertura populacional de 50% das famílias cuja pessoa de referência é assalariada e pertencente às áreas urbanas de cobertura do SNIPC - Sistema Nacional de Índices de Preços ao Consumidor.

 

 

O IPP é um índice de inflação para os produtores, por isso está do lado da oferta, mensura a evolução dos preços de produtos de vinte e três setores da indústria de transformação. Cerca de mil e quatrocentas empresas são visitadas pelo IBGE para a pesquisa. Ele tem tendência a mostrar qual será o repasse da inflação para o consumo, já que as empresas exibem a inflação em seus produtos.

 

Os preços coletados ainda não apresentam a incorporação de impostos tarifas e fretes, sendo definidos apenas pelas práticas comerciais usuais. O instituto coleta, aproximadamente, cinco mil preços por mês

 

Abaixo você vê o IPP de 2014 até atualmente.

 


 

Outro exemplo é o IGP-M (Índice Geral de Preços do Mercado), monitorado pela FGV. Ele registra a inflação de diversos preços, desde matérias-primas agrícolas e industriais até bens e serviços finais. É muito usado na correção de aluguéis e tarifas públicas, como conta de luz. Serve para todas as faixas de renda.

 

Abaixo você vê o IGP-M de 1994 até 2011:

 

Ver a imagem de origem



 

O IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo) é medido pelo IBGE. Ele considera gastos como alimentação e bebidas; artigos de residência; comunicação; despesas pessoais; educação; habitação; saúde e cuidados pessoais. Esse indicador reflete o custo de vida de famílias com renda mensal de 1 a 40 salários mínimos.

 

Abaixo você vê o IPCA de 1994 até 2019:


 

 

Analisando a maioria índices e suas variações ao longo do tempo, percebemos uma queda do percentual a partir de 1994, ano marcado pela execução do Plano Real, estratégia econômica que reduziu a inflação para dois dígitos.

 

Por fim, as políticas monetárias de cada Estado também influenciam a inflação da nação, entretanto, esses impactos serão discutidos e analisados com mais ênfase em um artigo posterior. Por isso, não entraremos em mais detalhes por hora.

 

NEWSLETTER

Postagens Populares