"> Destaques da Semana - (29/junho)

30 de Junho de 2019

Destaques da Semana - (29/junho)

Internacional

 

  • Mercados

                                                                                      Escrito por: Caroline Schanz 

 

Cortes de emprego da Ford na Europa

A Ford anunciou cortes de empregos na Europa até o final do ano que vem na tentativa de fazer a empresa lucrar novamente, visto que a demanda se encontra estagnada e há muitos investimentos para construir carros de baixa emissão.

A empresa vem sofrendo com perdas de dinheiro já há alguns anos e a tentativa de investir em veículos elétricos força as montadoras a reduzirem os custos fixos e a otimizarem os portfólios de modelos. Outro fator é a pressão exercida sobre ela, na medida em que a General Motors aumenta seus lucros. Para conter a situação, a Ford tem intenções de fechar três fábricas na Rússia, uma na França e uma no País de Gales, além de cortes de turnos em algumas filiais na Espanha e na Alemanha.  

Até 2020, cerca de 12 mil postos de trabalhos serão cortados nas instalações da Ford e de joint ventures na Europa, dentre os quais 2 mil são cargos assalariados fixos. A Ford é responsável por empregar 51 mil funcionários na Europa, número que se eleva a 65 mil quando considerados aqueles referentes às joint ventures. A associação de montadoras de veículos na Europa Acea fez uma previsão de que as vendas de carros de passeio no continente encolherão 1% em 2019, para 15 milhões de unidades, o que vai contra a estimativa anterior de crescimento de 1%.

Venda de 80% das operações do Carrefour na China

O Carrefour saiu completamente do mercado chinês após vender uma parcela majoritária em suas operações locais à Sunning.com pelo valor de 620 milhões de euros em dinheiro. Há também janelas de oportunidade para a venda dos 20% restantes, o que indica sua intenção de deixar o mercado totalmente. O acordo referente à venda também põe fim às negociações de uma potencial venda de participação minoritária nos negócios locais entre o Carrefour e a empresa chinesa de tecnologia Tencent.

A rede francesa, que estava na China desde 1995, viu suas vendas caírem, 5,9% no ano passado, para 4,1 bilhões de euros, em um momento de forte competição com empresas locais e um enorme mercado online. Já as vendas líquidas referentes ao Carrefour China totalizaram 3,6 bilhões de euros e lucros antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) de 66 milhões de euros em 2018. No contrato, o mesmo foi avaliado em 1,4 bilhão de euros, incluindo dívida.

 

Fechamento Semanal: 

Nasdaq: -0,317% aos 8.006,24 pontos

Dow Jones: -0,446% aos 26.599,96 pontos

S&P 500: -0,296% aos 2.941,75 pontos

Shanghai Composite (índice chinês): -0,769% aos 2.978,88 pontos 

Kospi (índice sul coreano): 0,235% aos 2.130,62 pontos

Nikkei 225 (índice japonês): 0,152% aos 21.275,92 pontos 

DAX (Alemanha): 0,477% aos 12.398,8 pontos

CAC 40 (França): 0,192% aos 5.538,97 pontos

FTSE 100 (Londres): 0,245% aos 7.425,63 pontos

Euro Stoxx 50 (Zona do Euro): 0,195% aos 3.473,69 pontos

IBEX 35 (Espanha): -0,308% aos 9.198,8 pontos



 

  • Política Econômica e Indicadores

Escrito por: Mariana Venancio

 

CPI Zona do Euro

 

Nesta sexta-feira, 28, a Eurostat, agência de estatísticas da União Europeia, divulgou o índice de preços ao consumidor (CPI, na sigla em inglês) da zona do euro que apresentou um aumento discreto de 1,2% na comparação anual de junho, permanecendo assim no nível de maio.  O resultado veio em linha com a previsão de analistas consultados pelo The Wall Street Journal, em virtude das baixas expectativas criadas em relação ao índice.

 

O Banco Central Europeu que tem como meta uma taxa parcialmente inferior a 2%, desta forma se mantém distante da inflação da zona do euro, fato que aumenta a pressão sobre o BCE para que se tome medidas de estímulos. Antes mesmo do lançamento dos dados oficiais, na semana passada, o presidente da instituição Mario Draghi, sinalizou que poderá voltar a cortar juros e comprar ativos por meio de seu programa de relaxamento quantitativo caso a perspectiva econômica da zona do euro não apresenta melhorias.

 

Portanto, o resultado teve influência sobre o Produto Interno Bruto (PIB) do Reino Unido que indicou um crescimento de 0,5% no primeiro trimestre do ano ante o quarto trimestre de 2018, segundo dados finais publicados hoje pelo Escritório Nacional de Estatísticas (ONS, na sigla em inglês) do país.

 

 

 

PIB trimestral dos EUA

 

O Produto Interno Bruto (PIB) dos Estados Unidos cresceu a uma taxa anualizada de 3,1% no primeiro trimestre de 2019, segundo dados divulgados pelo Departamento do Comércio, nesta quinta-feira, 27, indicando uma aceleração em relação ao trimestre anterior de 2,2%. O número veio em linha com o previsto por especialistas da Bloomberg que indicavam um crescimento de 3,2%.

 

Em decorrência da guerra comercial, a forma com que a economia norte-americana se apresentou nos três primeiros meses de 2019 foi uma surpresa, já que muitos dos especialistas contavam com uma desaceleração devido ao comportamento do índice no ano de 2018, que no quarto trimestre terminou com a taxa de 2,2%. Especialistas acreditavam inicialmente que o PIB deste ano se manteria na faixa de 2% a 2,5%.

 

Segundo o BEA, o aumento nas exportações e o impulso dos estoques à atividade encobriu a fraqueza da demanda doméstica, houve também revisões para cima em gastos com estruturas não residenciais. As revisões do déficit comercial e a acúmulo de estoques foram pequenas.

 

 

 

Nacional

 

  • Mercado de Capitais e Câmbio

Escrito por: Welker Abner

Petrobras (PETR4)

Na segunda-feira (24), o CNPE (Conselho Nacional de Política Energética), aprovou uma resolução com objetivo de liberar o mercado e gás natural no país, o que, segundo comunicado do conselho, visa criar condições para o acesso aos gasodutos de transporte e de escoamento, além de unidades de processamento e terminais de Gás Natural Liquefeito. A resolução será encaminhada ao Presidente da República, que deve aprová-la. Segundo o Ministro da Economia Paulo Guedes, as medidas, que também preveem a renegociação de fornecimento com a Bolívia e Argentina, podem levar a uma economia de até 40% nos custos da energia, 

Nesse sentido, o próprio presidente da estatal, Roberto Castello Branco, nesta quinta-feira (27) enquanto participava de evento na B3 que marcava a venda de ações da petroleira pela Caixa, reafirmou as intenções da empresa em se afastar dos segmentos de transporte e distribuição de gás no Brasil. Segundo o mesmo, não cabe à Petrobras “fazer políticas públicas”, contudo a companhia está alinhada com o plano governamental - Vale ressaltar que a empresa já está em suas fases finais de negociação com o CADE (Conselho Administrativo de Defesa Econômica) à venda de toda sua participação nas empresas estaduais de gás e os 10% remanescentes na NST e na TAG (empresas transportadores).  

Além disso, a empresa já  tem demonstrado mais empenho na venda de parte de seus ativos, o que se acelerou após o STF, no começo do mês, decidir que estatais podem vender subsidiárias sem necessidade de aprovação prévia do Congresso, seguindo um programa de desinvestimentos. Entre eles, já na terça-feira (25), divulgou um relatório que indica avanço à venda da totalidade de suas participações em oito concessões de exploração e produção de terrestre na Bahia, conhecidas como Polo Rio Ventura - O Polo Rio Ventura foi responsável pela produção de 1,5 mil bpd em petróleo e 43 mil m³/ dia de gás no ano passado. Ademais, já na quarta-feira (26), a empresa iniciou uma nova fase ao processo de venda de 93,7% de sua participação na Breitener Energética, que opera duas termelétricas em Manaus. Vale notar que, em ambos os casos, chega-se agora na chamada fase não vinculante, na qual os potenciais investidores receberão instruções sobre como enviar propostas iniciais pelos ativos. 

Por outro lado, já na sexta-feira (28), a empresa também abriu as portas ao seu programa de venda de refinarias. Apesar de ser a primeira fase de seu programa, a companhia já anunciou sua pretensão de vender quatro de suas unidades (Rnest, PE; Rlam, BA; Respar, PR e Refap, RS) número que deve dobrar até o fim do programa, equivalendo à metade da capacidade de refino no país. Além disso, Castello Branco afirmou que ao menos uma das refinarias seria vendida ainda durante 2019, ao passo que a segunda fase do plano também deve ser divulgada este ano, segundo a empresa. Deste modo, a Petrobras espera obter até US$ 20 bilhões por sua vendas, tendo o processo uma previsão de um ano e meio para ser concluído. O processo vem em consonância à previsão de aumento de exportação pela empresa, previsão esta que se materializa no aumento de 30% da produção atual (de modo a superar a marca de 800 bpd), para isso, conforme apontou a diretora-executiva de Refino e Gás Natural, a Petrobras expandiu sua presença na China, alugando mais quatro tanques locais. 

 

Eletrobras (ELET3)

O Superior Tribunal de Justiça (STJ) decidiu, nesta quarta-feira (26), que a União não tem por obrigação dividir com a Eletrobras o pagamento de uma dívida gerada por empréstimos compulsórios, decisão que frustrou a diretoria da empresa, que iniciou a pretensão a partir de um julgamento datado em junho do ano passado. A companhia, que já apresentaria uma queda de mais de um 1% na quinta-feira, se manifestou "esclarecendo que prosseguirá na discussão judicial por meio dos recursos cabíveis em face da previsão legal prevista em lei específica e Código Civil".

Por outro lado, também na quinta-feira, após o fechamento do pregão, a empresa divulgou publicamente a decisão de seu conselho administrativo que deu parecer positivo e aprovou o protocolo de incorporação e instrumento de justificação visando a reestruturação societária entre as subsidiárias Eletrosul Centrais Elétricas e a Companhia de Geração Térmica de energia Elétrica (CGTEE). A incorporação visa aumentar a sinergia operacional, tributária, econômico-financeira e societária, de modo então que a empresa resultante será chamada de Companhia de Geração e TRansmissão de Energia Elétrica do Sul do Brasil (Eletrobras CGT Eletrosul), tendo sua sede em Florianópolis, SC. Ainda no começo da tarde de sexta-feira, as ações da empresa tiveram uma alta de 2,87%, a R$ 35,05. 

 

  • Política Econômica e Indicadores

Escrito por: Ana Tsivum

Real tem a primeira valorização mensal ante o dólar desde janeiro 

A descompressão das tensões políticas a respeito da Reforma da Previdência nas últimas semanas ajudou o real a ter em junho seu melhor mês desde janeiro. O dólar acumulou queda de 2,17% em junho, no primeiro resultado negativo desde o primeiro mês do ano, no qual a moeda acumulou queda de 5,58%. 

Esse resultado se deu a despeito da leve valorização acumulada pela moeda americana na semana - de 0,36%. Nesta sexta-feira (28), o dólar fechou em ligeira alta, de 0,18%, aos R$ 3,8394, com investidores se posicionando com maior cautela antes do final de semana, que reserva a esperada reunião entre os presidentes dos EUA, Donald Trump, e da China, Xi Jinping. Os líderes devem tratar da disputa comercial entre os dois países, que parecia próxima de desfecho positivo até o início de maio, quando as negociações foram paralisadas. 

Num semestre pautado externamente pelos temores com a desaceleração global e a disputa EUA-China, e internamente pelo vaivém do humor político em relação à reforma da Previdência em Brasília, o desempenho da moeda brasileira também foi tímido na comparação com os pares. O dólar chegou ao fim de junho com um recuo de 0,90% ante o real em seis meses, contra 2,36% em relação ao peso mexicano, 8,70% ante o rubo russo e 1,85% frente ao rand sul-africano. 

Aumento da força de trabalho

O aumento da taxa de participação no mercado de trabalho é o maior destaque da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua) divulgada nesta sexta-feira (28) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 

“O interessante é que houve um aumento na taxa de participação em relação ao trimestre anterior. Vimos 800 mil pessoas que estavam fora do mercado agora entrar. É um dado novo e não esperávamos isso”, disse Hélio Zylberstajn, professor sênior da FEA/USP e coordenador do Salariômetro da Fipe,  em referência à redução de 1,2%, ou 777 mil pessoas, na população fora da força de trabalho (64,7 milhões de pessoas no total) frente ao trimestre móvel anterior, estável frente ao mesmo trimestre do ano passado. 

Zylberstajn ressalta que, como o número de ocupados aumentou acima de 1 milhão, esse acréscimo absorveu essas 800 mil pessoas, mais alguns desempregados. Segundo ele, porém, essa movimentação não é suficiente para alterar a taxa de desemprego, que ainda é muito alta, mas pode ser o prenúncio de alguma reversão.

 

Acordo UE-Mercosul 

O Ministério da Economia estima que o acordo entre Mercosul e União Europeia pode aumentar as exportações brasileiras à região em quase US$ 100 bilhões até 2035. Além do impacto positivo no comércio internacional, a expectativa da pasta é que o Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro terá um incremento de US$ 87,5 bilhões em 15 anos, podendo chegar a US$ 125 bilhões se consideradas a redução das barreiras não-tarifárias e a elevação esperada na produtividade total dos fatores de produção. 

Já a indústria é mais conservadora em suas estimativas. Segundo cálculos da Confederação Nacional da Indústria (CNI), a depender do movimento europeu de abertura de seu mercado agrícola, o acordo pode agregar US$ 9,9 bilhões às exportações do Brasil para a região. Isso representaria um aumento de 23,6% em dez anos, com potencial de gerar 778,4 mil empregos, estima a entidade. 

“Esse acordo pode representar o passaporte para o Brasil entrar na liga das grandes economias do comércio internacional. Cria novas oportunidades de exportação devido à redução de tarifas europeias, ao mesmo tempo que abre o mercado brasileiro para produtos e serviços europeus, o que exigirá do Brasil aprofundamento das reformas domésticas”, afirma Robson Braga de Andrade, presidente da CNI, na nota. 

 

 

Fechamento Semanal dos Indicadores: 

(Expectativas) 

Hoje / Há 1 semana

IPCA: 3,82% / 3,84%

IPCA (atualizações últimos 5 dias úteis): 3,80% / 3,83% 

Crescimento do PIB:  0,87% / 0,93% 

Taxa de câmbio- fim de período (R$/US$): 3,80 / 3,80 

Meta Taxa Selic- fim de período: 5,75% / 5,75% 

IGP-M: 6,12% / 5,98% 

Preços administrados: 5,20% / 5,20%

Crescimento da Produção Industrial: 0,72% / 0,65% 

Conta Corrente (US$ bilhões): 123,00 / -23,00

Balança Comercial (US$ bilhões): 50,60 / 50,50 

Investimento Direto no País (US$ bilhões): 85,00 / 84,30

Dívida Líquida do Setor Público (% do PIB): 56,28 / 56,10 

Resultado Primário (% do PIB): -1,40 / -1,39 

Resultado Nominal (% do PIB): -6,40 /-6,30 

 

NEWSLETTER

Postagens Populares